top of page
Buscar
  • indaiatubapibi

Sincero, mas errado! Parte 2


Vimos no primeiro artigo desta série que “sim”, é possível ser sincero, mas ao mesmo tempo estar errado. Vimos que o próprio Saulo era um homem sincero, mas errado. Minha pergunta agora é: como é possível a mudança de cosmovisão de uma pessoa sincera, mas errada? Como é possível que alguém que tenha plena convicção de que está certo possa vir a enxergar o seu erro? O texto de Atos 9 nos ajudará a encontrar a resposta para essa pergunta.


Saulo não acreditava em Cristo. Ao contrário, o desprezava. Nutria verdadeira aversão àquele Galileu supostamente “farsante” que assevera para si o título de Filho do homem (um título que se referia ao Messias prometido).


Saulo também desprezava os seguidores de Jesus. O zeloso fariseu não estava em cima do muro! Ele fazia parte de um grupo que “perseguia violentamente a Igreja de Deus, tentando destruí-la” (Gl 1.13), era “blasfemo, perseguidor e arrogante” (1 Tm 1.13).


Todavia, algo mudou. Ao escrever aos Colossenses, aquele que havia sido um sincero perseguidor do Cristianismo passou a afirmar a divindade de Jesus (Cl 1.15-17). Incrível! O que provocou uma mudança tão radical em Saulo? O que fez com que aquele homem tão radicalmente contrário a Jesus e seus seguidores passasse a ser um discípulo? Vejamos o relato de Lucas a respeito da conversão de Saulo.


No verão de 35 d.C, Saulo estava a caminho de Damasco, com permissão oficial do Tribunal judaico (Sinédrio) para prender os seguidores de Jesus. (At 9.3-9). O que provocou a mudança completa na vida de Saulo foi que a verdade foi ao encontro dele. Jesus Cristo ressurreto em Sua glória manifestou-se.


Agora, diante da verdade, Saulo, o sincero, mas errado, viu que estava terrivelmente enganado, o quanto estava cego e, nunca mais foi o mesmo!


Quando Jesus se encontra conosco ele nos mostra o quanto estamos errados/cegos e tudo muda!

Preciso explicar que esse encontro pessoal com o Cristo glorioso não acontece hoje. Essa foi uma exceção porque tratava-se de um apóstolo. E uma das prerrogativas para um apóstolo era ter andado com Jesus. Em 1 Coríntios, o agora “Paulo” disse que o Jesus ressurreto apareceu a todos os apóstolos e também a ele, como um “nascido fora do tempo” (1 Co 15.8). Esse é um dos motivos pelos quais não existem novos apóstolos hoje.


Entretanto, embora o Cristo ressurreto não apareça mais pessoalmente em sua glória, reservando esse momento para o dia de Sua vinda, Ele continua ainda hoje se manifestando através de Sua Palavra (1 Jo 1.1-3). E sempre que isso acontece, aqueles que são encontrados por Ele mudam completamente sua forma de pensar, sentir e agir. São transformados pelo encontro com a verdade.


Isso me leva a crer que existem inúmeras pessoas nas igrejas que ainda não se encontraram com o Cristo ressurreto. Chegaram-se a uma cultura religiosa. São simpáticas a uma forma de vida que lhes traz alguma satisfação. Mas sua maneira de viver e enxergar o mundo não foram transformados pelo Evangelho, não experimentaram mudança alguma. São sinceros, mas errados. Quantas e quantas pessoas em nossas igrejas precisam de um encontro com o Evangelho, com o Cristo ressurreto!


Além do mais, mesmo tendo sido transformados pelo Cristo ressurreto, nossa mente ainda precisa ser transformada continuamente à luz da Palavra de Cristo. Paulo exortou os crentes em Roma que não se conformassem com esse mundo, mas que fossem transformados pela renovação do seu entendimento. Assim, eles experimentariam a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12.2).


Irmãos, é possível ser sincero, mas ainda assim estar errados a respeito de casamento, educação de filhos, igreja, trabalho, política, etc. Diante disso, precisamos estudar cuidadosamente a Palavra de Deus e nos submeter a ela continuamente, em todas as áreas de nossa vida.


Pr. Nelson Galvão

88 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2 Post
bottom of page