top of page
Buscar
  • indaiatubapibi

Lições do sofrimento de um homem correto - Parte 5


Na série “Lições do sofrimento de um homem correto”, já vimos que: (1) Uma vida correta não implica em ausência de sofrimentos; (2) O sofrimento é restringido pela soberania de Deus; (3) a adoração a Deus independe das circunstâncias; (4) nem sempre sabemos a razão dos nossos sofrimentos.


Hoje veremos que Deus, em Sua soberania, usa o sofrimento de maneira pedagógica.


A fala do 4º amigo de Jó, Eliú (Jó 36 e 37), se mostrou diferente da explicação oferecida pelos três amigos. Eliú encorajou Jó a lembrar-se de que Deus é soberano e imensurável:


“Quanto ao Todo-poderoso, não conseguimos compreendê-lo; Ele é grande em poder e justiça, pleno de retidão. Ele não oprimiria ninguém.” (Jó 37.23).


É curioso que Deus repreendeu os três amigos de Jó, mas não a Eliú. Isso porque Eliú estava correto. Em meios as aflições, das quais não conseguimos enxergar bem suas razões, precisamos nos lembrar de que Deus tem todas as coisas sob o Seu controle e, de alguma forma, Ele conduzirá esse sofrimento para o nosso bem.


É por isso que Jó, depois de ouvir a Deus, chegou a conclusão: “Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te veem” (Jó 42: 5).


É exatamente isso que Paulo escreveu aos Romanos:


Sabemos que Deus faz com que todas as coisas concorram para o bem daqueles que o amam, dos que são chamados segundo o seu propósito.” (Rm 8.28)


Pedro também mencionou essa realidade em sua 1ª carta:


“Nisso exultais, ainda que agora sejais necessariamente afligidos por várias provações por um pouco de tempo, para que a comprovação da vossa fé, mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo.” (1 Pe 1.6,7)


Veja que Pedro relaciona-nos com o ouro. Assim como o ouro é purificado pelo fogo, assim nós somos purificados pelas aflições, de maneira que Cristo é glorificado.


Agostinho de Hipona disse o seguinte:


“A semelhança dos sofrimentos não elimina a diferença entre os sofredores e a identidade dos tormentos não estabelece identidade alguma do vício e da virtude. Sob a ação da mesma chama, o ouro brilha, fumega a palha; o mesmo debulhador quebra a espiga de trigo e separa o grão; azeite e lia não se misturam de jeito nenhum, embora espremidos no mesmo lagar. Assim como o mesmo cadinho testa, purifica e funde no amor as almas virtuosas, e dana, extermina e devasta as ímpias, assim também, na mesma aflição, os maus protestam e blasfemam contra Deus e os bons rezam e o bendizem. Não interessa tanto o que a gente sofre, mas como sofre. Remexidos de igual maneira, o lodo exala horrível mau cheiro, o unguento, suave perfume.”[1]


O fato é que precisamos passar por certas ocasiões que sem as quais o perfume de Cristo não seria exalado. Somente através dessas circunstâncias é que amadurecemos, temos a possibilidade de nos parecer mais com o Mestre e assim, exalarmos um agradável perfume. As aflições são a sala de aula do Pai, para nos fazer mais parecidos com Seu Filho.


Dessa forma, quero encorajar você a confiar no soberano cuidado do Pai, mesmo em situações de aflição em que não sabe exatamente o motivo.


Pr. Nelson Galvão


Referências

[1]Agostinho de Hipona. A cidade de Deus: obra completa. Ed. Kindle. pos. 1483

111 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2 Post
bottom of page