top of page
Buscar
  • indaiatubapibi

Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus


Temos visto cada vez mais em eleições no Brasil, os candidatos a um cargo público frequentar cultos religiosos (católicos, evangélicos, etc) e falar em nome de Deus.


Diante da perigosa relação entre Política e Igreja, precisamos mais do que nunca nos lembrar do que a Palavra de Deus realmente tem a dizer sobre o assunto, sem que paixões (lulistas ou bolsonaristas) nos façam citar versículos fora de seu contexto para afirmar posições preestabelecidas.


Não é uma tarefa fácil! Mas, absolutamente necessária! Sendo assim, nesse curto espaço da pastoral da semana, proponho investirmos um tempo na reflexão das palavras de Jesus:


“Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Mc 12.17).


Em que contexto Jesus disse isso? Ao se aproximar do tempo da crucificação de Cristo, seus opositores buscavam cada vez mais ocasião para apanhar Jesus em algum erro (Mc 12.13).


Foi com esse intuito que os fariseus e herodianos se apresentaram a Jesus e lhe fizeram a pergunta: “É correto pagar tributo a César, ou não?” (Mc 12.14).


Para entender essa pergunta precisamos considerar algumas coisas:


a.Lembre-se que os judeus naquele momento estavam sob o domínio do império romano. Aquele tributo era um imposto cobrado pelo império romano a cada homem adulto da Judeia.


b.Jesus pediu para que lhe trouxessem uma moeda e em seguida perguntou de quem era a inscrição (Mc 12.16). A moeda (denário) trazia a imagem do imperador. Na ocasião, o imperador era Tibério. De um lado, a moeda vinha com a imagem do imperador Tibério e a inscrição: TIBERIO CESAR AUGUSTO - FILHO DO DIVINO AUGUSTO. Do outro lado da moeda, o imperador estava retratado sentado em um trono, vestido com roupas de sumo sacerdote e usando um diadema. A inscrição era: SUMO SACERDOTE.



O imperador romano reclamava para si não somente autoridade política, mas também espiritual, se colocando como deus. O culto ao imperador havia se popularizado desde Claudio. O imperador Domiciano, na época da escrita de apocalipse por João se auto intitulou “dominus et deus” (senhor e deus).


Foi nesse contexto que Jesus afirmou:

“Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.”

Essa simples frase é de uma profundidade oceânica! Ela tem sido lembrada desde então ao longo da história, até mesmo por não cristãos.


O que Jesus disse com isso? Vejamos:


1- Dê a Cesar o que é de Cesar.


O tributo é devido e deve ser pago. Os romanos eram autoridade naquele momento e dever-se-ia se submeter a eles.


É exatamente o que Paulo ensinou aos romanos (Rm 13). Toda a autoridade, inclusive a governamental, vem de Deus e tem o propósito específico determinado por Deus de zelar pela justiça, de punir e refrear o mal.


Sendo assim, devemos nos submeter a esta autoridade. Até porque o nosso compromisso diante do governo reflete nossa fé.


Diante dessa instrução de Jesus, deveríamos corar de vergonha quando vemos as corrupções mais comuns do nosso povo: Sonegação de imposto; carteirinha de estudante falsificada; compra de CNH; pirataria; pagamento de "cafezinho para o guarda”; gatonet; aquele aparelhinho mágico que “abre todos os canais da TV a cabo”; casal que vive a anos como casado, mas não casa para não perder pensão do governo.


Existe uma outra implicação desse ensino de Jesus:


2- César não é Deus.


Jesus faz clara diferença entre César e Deus. Quando Jesus faz essa distinção entre César e Deus, Ele diz que as autoridades devem ser obedecidas naquilo que tange a elas, mas Deus deve ser honrado naquilo que lhe é próprio, ou seja, em tudo, por que Ele sim, é Deus.


Acredito que Kuyper contribuiu muito para essa questão, com sua teoria das “esferas de soberania”. Segundo o teólogo holandês, Deus governa a vida e a sociedade e não o Estado. Sendo assim, este não deveria interferir nas áreas que não lhe competem como: religião, família, ciência, arte e economia.


Sendo assim, somente o que é devido a César deveria ser dado, dentro de sua área de atuação.


De tempos em tempos o Estado quer se colocar como deus, e se impõe em áreas que não lhe pertence: família/casamento; educação de filhos; religião (vide o materialismo dialético de países de esquerda).

No dia da eleição cuidado com a ideologia de esquerda que prega um Estado máximo que se propõe a controlar corações e mentes, interferindo em áreas que não lhe competem.



Isso nos leva a terceira questão:


3- Dê a Deus o que é de Deus.


Uma leitura descuidada nos faria entender que Jesus ensinou um dualismo absoluto entre Cesar e Deus. Mas, não é o caso. Não são duas forças iguais contrapostas entre si. Não! Jesus ensinou que Deus está acima de Cesar.


Cesar deve ser honrado, mas Deus deve ser temido! Assim, quando as ordens de Cesar se chocam com as de Deus, Cesar deve ser desobedecido. Esse é o princípio da “desobediência civil”.

Esse é o princípio que Pedro evocou diante do Sinédrio tempos depois:


29Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5.29).


Diante disso, pergunto: Nós temos dado a honra que só Deus merece?


Em muitas ocasiões cedemos à tentação de dar a Cesar o que e de César e a Cesar o que é de Deus.

Fazemos isso quando colocamos nossa esperança (que deveria ser somente a Deus) em governantes.


Desprezamos a esquerda por defender um Estado máximo, mas podemos abraçar a igualmente condenável teologia do “ungido” que prolifera em muitos meios evangélicos e fazem com que candidatos vão a cultos vociferar em nome de Deus e os fiéis ensandecidos, sob gritos de “aleluia”, coloquem a esperança de dias melhores em sua mítica messiânica.


Minha oração é para que em tempos tão conturbados como o que vivemos, que o Senhor nos dê a clareza para entender o que a Sua Palavra realmente diz, e a coragem necessária para nos manter fiéis.


pr. Nelson Galvão

54 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2 Post
bottom of page